Topo ↑

Pessoas

  Você está em:Página InicialBlog CorporativoTudo que você precisa saber sobre os 3 pilares do RH Estratégico!
Tudo que você precisa saber sobre os 3 pilares do RH Estratégico!
Escrito Por:  
Em: Blog Corporativo | 23/05/2016

Diante de um mercado cada vez mais competitivo, é fundamental contar com uma gestão empresarial completa e eficiente. Entretanto, é preciso lembrar que vários elementos fazem parte desta gestão, entre eles: informações técnicas, controles, indicadores, tendências, tecnologias e decisões, que interligam todos os setores da empresa e embasam o aperfeiçoamento e otimização dos processos internos.

Neste cenário, o RH estratégico ganha ainda mais importância, mantendo-se alinhado as necessidades do negócio. Cabe a este novo RH, uma participação ativa na gestão empresarial, definindo práticas e políticas com foco no capital humano, atuando fortemente na atração e retenção de talentos, no desenvolvimento dos colaboradores, na criação de oportunidades de crescimento, no incentivo ao aprendizado e na formação de equipes de alta performance.

Além disso, o RH estratégico deve estar sustentado por três pilares básicos. O primeiro é o conhecimento e a vivência no negócio. O segundo, a responsabilidade de auxiliar a organização a entender sua cultura, seus valores e contribuir para o engajamento dos profissionais. E o terceiro, a garantia dos aspectos de compliance e governança, principalmente no que diz respeito a ética nas rotinas de trabalho, o cumprimento da legislação e a transparência da gestão.

RH tradicional X RH Estratégico

Em linhas gerais, o RH tradicional pode ser compreendido como um RH reativo, que atende as solicitações, porém, sem um envolvimento profundo com a realidade da empresa. O RH tradicional ainda possui muitas tarefas operacionais, que tomam tempo e reforçam o subaproveitamento do capital intelectual e criativo das equipes.

Outras características deste RH são a burocracia e o engessamento de seus processos, que impossibilitam uma gestão mais ágil e flexível, de acordo com as exigências do mercado atual. Além disso, existe uma visão limitada, com foco apenas nos subprocessos do próprio RH, desconsiderando a interdependência com os demais setores. Neste ponto, é preciso frisar que o RH tradicional não é somente o departamento de pessoal que atua nas admissões, nos desligamentos, na elaboração da folha de pagamento, nos cálculos trabalhistas e no controle de benefícios.

Mesmo os RHs que possuem ações estruturadas, destinadas a recrutamento e seleção, treinamento e avaliação de desempenho, podem ter um foco estritamente operacional, preocupando-se exclusivamente com suas atividades, ignorando a necessidade de avaliar os impactos de seus programas, nos indicadores corporativos. Desta maneira, fica evidente a falta de efetividade deste RH para a empresa.

Já o RH estratégico é proativo, articulado, questionador e crítico, estando sempre disposto a apoiar o negócio em seus desafios, mas também assumindo um papel de protagonista nas principais decisões. Tem foco em resultados mensuráveis e consegue agregar valor real.

O RH estratégico age como um interlocutor eficiente, entre a organização e os colaboradores — compreendendo, traduzindo e negociando, necessidades e demandas de ambas as partes. Assim, possui uma panorâmica muito mais abrangente, integrando setores, gestores e equipes. Além disso, esse RH aposta em uma gestão mais horizontalizada e humanizada, eliminado barreiras para o aumento da produtividade, de forma contínua e sustentável.

O RH Estratégico vive o negócio

De fato, a construção de um RH estratégico começa com a vivência e o profundo conhecimento do negócio. Deste modo, diversos aspectos são identificados e analisados por esse modelo de RH.

Internamente, é preciso interpretar corretamente os valores e cultura empresarial, assimilar as peculiaridades de cada departamento, as competências comportamentais, os conhecimentos técnicos exigidos para o exercício de todas as funções e o perfil ideal dos profissionais a serem contratados. Além disso, é importante entender detalhes sobre produtos e serviços, novos projetos e tecnologias, processos produtivos e administrativos, investimentos planejados e os principais diferenciais competitivos da empresa.

Externamente, é essencial reconhecer o mercado, os atuais e os potenciais clientes, a concorrência, os fornecedores e também, as melhores práticas e tendências de gestão. Além disso, o RH estratégico também compreende as dificuldades impostas pela crise econômica, as variações do câmbio, a inflação e as mudanças nos hábitos de consumo da população.

Outro ponto importante, avaliado pelo RH estratégico, são os anseios dos jovens profissionais e também, dos mais experientes. Considerando que a sociedade está em constante transformação, devido ao avanço da conectividade, o fácil acesso à informação, a valorização da qualidade de vida e a falta de mobilidade nos grandes centros urbanos, é natural que haja modificações no ranking de prioridades e de ambições deste público. Por isso, é fundamental conhecer esse contexto, para elaborar ações convincentes, que garantam a atração e a retenção de talentos.

Esse conjunto de informações permite uma visão ampla da realidade da empresa e deste modo, o RH estratégico se torna mais competente e assertivo, apoiando verdadeiramente os demais setores e suportando a conquista de resultados ainda mais expressivos.

Ajuda a construir e consolidar a cultura da empresa

O RH estratégico entende a importância de as empresas definirem e fortalecerem identidades próprias, com a finalidade de personificar o negócio, reforçar valores e princípios corporativos, diferenciar suas iniciativas e criarem características marcantes. Esta é uma forma eficiente de se tornar uma referência perante o mercado, consumidores e profissionais. E assim, a cultura empresarial deve alicerçar esta identidade, oferecendo elementos que colaborem com a atração e retenção de talentos e de clientes, que tenham os mesmos ideais e propósitos.

É preciso lembrar que, através da cultura empresarial, é possível estabelecer pontos importantes da gestão, como políticas, normas e procedimentos internos, além de processos, rotinas, padrões de trabalho e objetivos coletivos. A cultura empresarial também determina regras que devem nortear as relações profissionais entre colaboradores, fornecedores, parceiros e consumidores, considerando os preceitos de conduta, moral e ética.

E neste caso, cabe ao RH estratégico a difícil missão de criar e disseminar todos esses conceitos, entre gestores e equipes, através de algumas medidas específicas:

Construção da cultura empresarial

O RH estratégico deve participar da criação da cultura empresarial, adicionando componentes relacionados ao capital humano, como a valorização do indivíduo e de suas potencialidades, o incentivo a diversidade e ao aprendizado, o cuidado com a saúde e a segurança dos colaboradores. As questões sociais e a preocupação ambiental também devem estar presentes, bem como as práticas de governança e compliance.

Definição das políticas de RH

As políticas de RH devem transparecer a cultura empresarial, contemplando todos os processos de recursos humanos, como recrutamento e seleção, treinamento e desenvolvimento, cargos e salários, gestão de benefícios, planos de carreira e sucessão, além das relações trabalhistas envolvendo representantes dos colaboradores, sindicatos e entidades de classe. Neste ponto, é importante salientar que a imparcialidade e a meritocracia são elementos indispensáveis a uma cultura empresarial respeitável e merecedora de créditos.

Disseminação e comunicação

A gestão estratégica de RH está sempre apoiada em um sistema de comunicação eficiente, capaz de estimular comportamentos e posturas. Para tanto, é imprescindível que os principais aspectos da cultura empresarial sejam compartilhados por meio de todos os canais internos.

Campanhas informativas e educativas são importantes mecanismos de disseminação, bem como a realização de eventos especiais, destinados aos temas mais relevantes. O processo de comunicação é fortemente influenciado pelos gestores. Por isso, é essencial atentar para o desenvolvimento destes profissionais, de modo a garantir que líderes genuínos estejam na condução das equipes de trabalho.

Formação de times competentes e produtivos

A formação de times competentes e produtivos depende muito do alinhamento entre o perfil dos profissionais contratados e a cultura empresarial. Portanto, é fundamental que todos os processos de recrutamento e seleção sejam balizados por esses conceitos e que o recrutador tenha critérios predefinidos, para identificar os talentos com maior aderência às características e necessidades do negócio. Esse tipo de seleção garante escolhas mais assertivas, reduzindo drasticamente as despesas com a rotatividade e com o absenteísmo dos colaboradores.

Treinamento e desenvolvimento

O RH estratégico estimula o conhecimento e a educação, incentiva a inovação e a criatividade, encoraja a participação e o comprometimento. Além disso, investe na elaboração de planos de desenvolvimento personalizados, que consideram as necessidades reais da empresa, mas também, as habilidades, preferências e deficiências de seus profissionais. Esse modelo de gestão fortalece a motivação e o engajamento, através da valorização da complementariedade e do espírito de equipe.

Garante o sucesso dos processos da empresa

Uma gestão estratégica de RH engloba também aspectos importantes de compliance e governança. Na verdade, governança corporativa pode ser compreendida como um sistema de gestão, capaz de monitorar as empresas, institucionalizando os relacionamentos entre sócios, diretores, investidores, fornecedores, prestadores de serviços, conselho de administração e órgãos de fiscalização. Deste modo, é possível garantir o sucesso dos processos, minimizando as chances de fraudes, desvios e abuso de poder.

As boas práticas de governança têm por finalidade, preservar o valor econômico e a imagem das organizações, por isso, trazem recomendações objetivas, que devem ser adotadas no dia a dia das empresas. Entretanto, para recuperar e assegurar a confiabilidade, diante do mercado e de seus acionistas, é preciso criar uma série de controles internos, de modo a garantir que gestores e colaboradores — em todos os níveis hierárquicos — estejam obedecendo aos padrões de conduta e gestão, previamente estabelecidos.

A governança corporativa possui quatro princípios básicos, que estão muito alinhados aos valores do RH estratégico. Por isso, a importância de fomentar esses conceitos e acompanhar o desempenho das equipes. Confira os princípios que sustentam a governança corporativa:

Transparência

A transparência da gestão consiste em disponibilizar informações sobre a empresa, a todas as partes interessadas. Essas informações são se limitam apenas a balanços e indicadores de desempenho econômico-financeiro, mas abrangem vários outros fatores, como contratos, despesas e doações, que estão diretamente relacionados com a manutenção do prestígio e da legitimidade da organização.

Equidade

A governança fomenta a equidade, através da isonomia no tratamento de todos os stakeholders, respeitando os direitos e considerando deveres, necessidades, interesses e expectativas de cada grupo. Esse princípio está intimamente relacionado a alguns conceitos do RH estratégico, como a imparcialidade e a coerência na tomada de decisões.

Prestação de contas

Em uma gestão estratégica de RH, baseada na governança corporativa, os gestores devem prestar contas de sua atuação, assumindo integralmente a responsabilidade por seus atos, decisões e omissões. Desta forma, é possível minimizar os riscos e ameaças ao negócio, reforçando as obrigações de todos os colaboradores e enfatizando as consequências de determinados comportamentos.

Responsabilidade corporativa

A responsabilidade corporativa também está vinculada ao RH estratégico, pois este princípio determina que os gestores precisam prezar pela viabilidade econômico-financeira das empresas, trabalhando para a racionalização dos recursos, redução dos custos e dos impactos negativos de variáveis externas, e para a solução de problemas e conflitos internos.

Desta maneira, os líderes devem atentar para questões que envolvem o cumprimento de leis e regulamentações, a gestão do conhecimento, a segurança da informação, a propriedade intelectual, a livre concorrência e o compromisso social e ambiental. Além disso, é essencial manter o cuidado com a reputação e a credibilidade da organização — em curto, médio e longo prazo.

A governança corporativa possui ainda algumas caraterísticas que se destacam. A participação e o engajamento, a igualdade, a efetividade e a eficiência, o estado de direito e a busca pelo consenso, são requisitos básicos para as empresas que adotam esse modelo de gestão. Por isso, as políticas de RH e os processos corporativos, se tornam mais eficazes, pois estão fundamentados por valores sólidos.

E para confirmar a efetividade de suas práticas, o RH estratégico utiliza a pesquisa de clima organizacional. Através das respostas dadas pelos colaboradores, para perguntas que abrangem o cotidiano, como o relacionamento com o gestor, condições de trabalho, oportunidades de crescimento e desenvolvimento profissional, remuneração e benefícios, incentivo ao aprendizado, é possível mensurar os níveis de satisfação e motivação das equipes, identificar os pontos fortes e fracos, e então, retroalimentar a gestão estratégica de RH.

Gestão Estratégica de RH: como desenvolver?

A gestão estratégica de RH deve contar com processos bem estruturados e soluções criativas, para garantir os resultados esperados e também, transformar o RH em um setor determinante para o sucesso da empresa. Algumas iniciativas devem ser adotadas, de modo a fortalecer o RH estratégico. Confira!

Tenha uma visão abrangente

O desenvolvimento de uma gestão estratégica depende muito de uma visão abrangente do negócio. É preciso compreender os objetivos macro da empresa e desdobrá-los em metas individuais e coletivas, de modo a facilitar o entendimento de todo o contexto. Assim, é possível traçar um planejamento eficiente, que ajude na conquista destes objetivos e metas, através da exploração adequada do capital humano.

Identifique fortalezas e fraquezas

Uma análise das fortalezas e das fraquezas que cercam a operação, também é fundamental para essa gestão. Esse exercício evidencia a realidade da empresa, a percepção de ameaças e oportunidades e principalmente, a definição de novos projetos e escopos, que facilitem o alcance dos números esperados.

Invista na retenção de talentos

A qualidade do capital humano está sempre atrelada aos resultados do negócio, por isso, é tão importante elaborar processos seletivos realmente assertivos, bem como criar e aperfeiçoar as políticas de retenção de talentos.

Atue como um Business Partner

A gestão estratégica de RH está destinada a auxiliar os demais setores, nas mais diferentes situações, atuando como uma consultoria permanente. Se o RH tradicional tratava apenas da seleção de novos profissionais ou de treinamentos pontuais, o RH estratégico vivencia a realidade de cada departamento e compreende suas necessidades e demandas, como um cliente interno. Assim, o RH deve assumir o papel de Business Partner junto aos executivos e gestores, de modo a participar ativamente das decisões e a desenvolver soluções e propostas mais adequadas a cada departamento.

Aposte na proatividade e na resiliência

O RH estratégico é proativo, busca oportunidades, prevê problemas e corrige falhas rapidamente. Além disso, tem resiliência para suportar os acontecimentos negativos e inteligência emocional para administrar as pressões e dificuldades, sem perder a motivação e o foco.

Cuide do operacional

Atividades operacionais, como atualização de cadastros, lançamentos em sistemas e manutenção do banco de currículos, por exemplo, não podem ser negligenciadas. É preciso que haja dedicação a essas rotinas, a fim de garantir a qualidade de todos os processos de RH. Porém, é essencial apostar na tecnologia para reduzir a quantidade de tarefas manuais. Softwares de gestão, aplicativos, sistemas integrados e redes sociais colaborativas, podem ser muito úteis, propiciando mais agilidade e segurança no manuseio de dados importantes.

Tenha um RH Estratégico com estas 8 dicas

O primeiro passo para a construção de um RH estratégico é conhecer o negócio e a conjuntura na qual a empresa está inserida, ou seja, entender o mercado, os fatores econômicos, as tendências e a concorrência. Porém, existem muitas outras etapas a serem cumpridas:

Avalie os recursos disponíveis

Um RH estratégico precisa avaliar todos os recursos disponíveis — sejam técnicos, financeiros ou humanos — para então elaborar um planejamento embasado em possibilidades concretas. Desta forma, as metas definidas também serão factíveis e os projetos conseguirão atingir os resultados desejados.

Defina prioridades

A definição de prioridades é mais uma tarefa importante do RH estratégico. Neste momento, é essencial coletar e analisar todas as demandas, necessidades e urgências da empresa, de modo a garantir uma distribuição correta e inteligente dos recursos já avaliados.

Mantenha a proximidade com a equipe

Um RH verdadeiramente estratégico deve conhece cada membro da equipe, suas habilidades, ambições, preferências e limitações, para então preparar um plano de desenvolvimento individual, de modo a aprimorar as características mais importantes para o negócio, através de uma gestão por competências. Essa prática favorece a delegação, baseada no know-how e no desempenho dos profissionais. Além disso, essas informações permitem a definição de papéis dentro dos times, a identificação de talentos e de novas lideranças, e a construção de um plano de sucessão para a empresa.

Planeje a capacitação

Neste mesmo sentido, o RH estratégico idealiza programas eficientes de treinamento e capacitação de colaboradores e líderes. Para isso, considera as necessidades da empresa, os conhecimentos técnicos, administrativos e gerenciais, além de competências comportamentais. Mas não pode haver imediatismo. Ao contrário. É fundamental apostar em ações constantes — e não apenas momentâneas — para que o conteúdo aprendido possa ser absorvido e aplicado no dia a dia dos colaboradores.

Fortaleça a adaptabilidade e a flexibilidade

Um RH estratégico deve estar pronto para administrar mudanças exigidas pelo mercado, sejam decorrentes do surgimento de novos nichos, de alterações na legislação, da chegada de novas tecnologias ou de variações no comportamento dos clientes. Assim, é preciso fortalecer a capacidade de adaptação e a flexibilidade das equipes e dos processos.

Promova a integração do RH com toda a empresa

A gestão estratégica precisa promover a integração do RH ao restante da empresa. Para tanto, o ideal é fortalecer os canais de comunicação, criar equipes multifuncionais para desenvolvimento de projetos, organizar eventos nos diferentes setores e apoiar a convivência e a troca de experiências entre os profissionais.

Implemente soluções tecnológicas

É importante implementar soluções tecnológicas que auxiliem o RH estratégico no armazenamento de informações e documentos, na preparação de relatórios, no acompanhamento de indicadores, no processo de recrutamento e seleção, na definição de promoções internas e na elaboração do plano de desenvolvimento dos talentos. Atualmente, já existem sistemas específicos que automatizam muitas atividades operacionais e ferramentas diversas, como, por exemplo, os softwares que oferecem uma análise de perfil profissional mais completa, facilitando o trabalho dos recrutadores.

Utilize as mídias sociais

Pensando na construção de uma identidade corporativa, com foco na atração e retenção de talentos, o RH estratégico deve utilizar as mídias sociais para reforçar os valores e a cultura empresarial. Neste caso, o LinkedIn se destaca, permitindo o fortalecimento da marca, através do compartilhamento de notícias e informações relacionadas a empresa. Além disso, é uma das maiores redes de networking do mundo, sendo adotada por profissionais mais qualificados e especializados. Mas a presença nas mídias sociais deve ser alinhada com os setores de imprensa e marketing, para que a comunicação seja unificada, garantindo a criação de uma identidade forte e original.

A gestão estratégica de RH passou a fazer parte do cotidiano de muitas empresas, que enxergam na competência e no engajamento de seus profissionais, o verdadeiro diferencial competitivo, diante de um mercado dinâmico e exigente. Práticas orientadas a atração e retenção de talentos, ao desenvolvimento dos colaboradores, ao aumento dos índices de motivação e a formação de equipes de alto desempenho, são fundamentais para o sucesso de qualquer operação. Entretanto, todas essas ações precisam estar em sintonia com as necessidades reais da empresa e por isso, cabe ao RH, conhecer profundamente o negócio e todas as variáveis que o cercam.

No Brasil, existem mais alguns complicadores, que devem ser administrados. A escassez de mão de obra qualificada, a complexidade da legislação trabalhista, além dos altos custos gerados pelos benefícios corporativos, como transporte, alimentação e atendimento médico.

Assim sendo, fica evidente a importância de RH estratégico, capaz de gerenciar todas essas dificuldades e de encontrar soluções para os problemas atuais. Visando sempre o crescimento ordenado da empresa, a produtividade, a otimização dos processos, a potencialização do capital humano e principalmente, o foco nos objetivos e resultados gerais.

Gostou do nosso artigo sobre RH estratégico? Você já aplica esta técnica na sua empresa? Tem alguma dúvida sobre o processo? Deixe o seu comentário!

← Voltar